São Bento nasceu na Úmbria, uma região da Itália central, no ano de 480, filho de uma nobre família romana. Desde pequeno manifestou um gosto especial pela oração. Fez os primeiros estudos na região de Núrsia, perto da cidade de Spoleto, e depois foi morar em Roma para estudar filosofia e retórica.

Vocação

Bento se desiludiu rapidamente com a decadência moral da cidade e resolveu retirar-se a uma vida de oração, silêncio e sacrifício. Auxiliado por um eremita chamado Romano, que lhe dava alimentos, passou a viver em uma gruta de difícil acesso no monte Subíaco, onde passou três anos em isolamento, dedicado às orações e aos estudos. Descoberto depois por pastores que ficaram assombrados com a sua santidade, Bento passou a receber muitas visitas que procuravam conselho e pediam orações.

Fama de santidade

Como a sua fama de santidade tinha crescido muito, Bento foi aclamado abade no convento de Vicovaro. Ele aceitou, desejando prestar um bom serviço, mas descobriu que a vida que os monges levavam não refletia a entrega incondicional que ele achava que deveria caracterizar o seguimento de Cristo. Foi-se formando entre os monges, contra o santo, uma antipatia que culminou na criminosa tentativa de matá-lo com veneno. No entanto, quando Bento abençoou a taça de vinho envenenada, como fazia com todos os alimentos que comia, ela se espatifou.

Fundação da vida monástica

Bento renunciou ao cargo de abade e voltou para Subíaco, retomando a vida de eremita. Muitos discípulos, porém, queriam segui-lo, e, em poucos anos, Bento fundou nada menos que doze mosteiros. Foi assim que ele começou a organizar a vida monástica comunitária e a fazê-la florescer mediante a adoção da Regra dos Mosteiros, depois conhecida (até hoje) como a Regra de São Bento.

A Regra de São Bento

A Regula Monasteriorum é o livro em que São Bento expôs as regras para a vida monástica em comunidade. São 73 capítulos curtos que priorizam o silêncio, a oração, o trabalho, o recolhimento, a caridade fraterna e a obediência. Foi sob esta regra que nasceu e tomou forma a Ordem dos Beneditinos, ou Ordem de São Bento, viva e atuante até os nossos dias e seguidora da mesma regra escrita pelo santo fundador há mais de 1500 anos. Ao longo da história, várias outras ordens de monges do Ocidente adotaram, com adaptações, a Regra de São Bento.

Mosteiros

Os mosteiros beneditinos estão presentes em dezenas de países de todos os continentes. No Brasil, um dos mais conhecidos é o que se localiza no centro da cidade de São Paulo: a respeito dele você encontra mais informações no artigo “Um lugar de paz e silêncio na agitação da maior cidade do país“. Falando da ordem beneditina como um todo, o mosteiro mais emblemático e famoso é, provavelmente, o de Monte Cassino, na Itália, fundado no ano 529. Ele foi destruído pelos bombardeios da Segunda Guerra Mundial e reconstruído ao longo dos anos do pós-guerra.

Devoção a São Bento

São Bento faleceu em 547, aos 67 anos de idade, após predizer a própria morte. No mesmo ano faleceu também a sua irmã, Santa Escolástica, fundadora do ramo feminino da ordem de São Bento. A devoção a São Bento se espalhou solidamente pelo mundo todo, fazendo dele um dos padroeiros da Europa.

Sobre a sua relação com a irmã, não perca este relato fascinante:

Dois irmãos santos e a lição da noite da chuvarada

E sobre a morte de São Bento, confira o impressionante depoimento de ninguém menos que o célebre Papa São Gregório Mago:

A morte de São Bento contada pelo Papa São Gregório Magno

A Medalha de São Bento

Um dos objetos devocionais mais populares do catolicismo, a Medalha de São Bento é apresentada detalhadamente neste artigo recomendado:

O poderoso significado da medalha de São Bento

Retirado de Aleteia